2007-08-14

Flagelo da modernidade

O que me olhos vêem
Aperta-me o coração
Tristezas fora de portas
Desgraças até mais não

Não quero ver, nem sentir
Meu peito de dor a dilacerar
De angustias magoas e medos
Pela juventude a desmoronar

Quem acode a tal calamidade
Pior que peste ou malária a tratar
É jovem a continuar a injectar-se
Farrapo humano a definhar

Flagelo da modernidade
Doença de atormentar
Drogas, vícios miséria
Para “barões” sustentar

Não é tempestade ou terramoto
Nem defeito da mãe natureza
Um abalo social, um flagelo
É a natureza humana no seu pior

29 comentários:

  1. As drogas reduzem o ser humano à uma condição de completa decadência. É deprimente ver.

    Um beijo.
    (Obrigada por sua presença sempre constante e carinhosa lá nosmeus blogs)

    ResponderEliminar
  2. padeiradealjubarrota14/08/07, 08:58

    Drama insanável.Proliferou com a abertura das fronteiras.

    ResponderEliminar
  3. Gostei, só cheguei agora mas vou ler os post mais antigos e claro colocar um link no meu blogue "Com Fixadores".

    ResponderEliminar
  4. estamos mesmo a viver uma época de "podridão"!

    é um salve-se quem puder, amgustiante!

    ResponderEliminar
  5. Dar voz a este drama que atinje tantas famílias e permite tanto enriqucimento alheio é sempre um alerta saudável

    ResponderEliminar
  6. Dar voz a este drama que atinje tantas famílias e permite tanto enriqucimento alheio é sempre um alerta saudável

    ResponderEliminar
  7. É sem sombra de dúvida um flagelo insustentável.Para quem se droga e para os familiares, que são destruídos nesta avalanche sem fim.
    Bom feriado
    Leo

    ResponderEliminar
  8. Assim é a sociedade e principalmente a juventude em degradação...Triste.


    bjgrande

    ResponderEliminar
  9. A degradação do ambiente familiar e a vida ocupada dos pais, são uma das muitas causas deste flagelo, para além de toda a máquina que envolve este desgraçado negócio de crápulas. É um dos nossos maiores flagelos, infelizmente.
    Está muito bem retratado neste poema.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  10. C Valente, mais uma vez o meu amigo lança um alerta de um tema, que é necessário uma maior conscialização de todo um povo.
    Em nome dos que não tem acesso aos seus escritos, agradeço-lhe.

    Muitos beijinhos,

    Fernanda

    ResponderEliminar
  11. Um abraço ainda de vacances ;-)

    ResponderEliminar
  12. eu sei que estou a ser repetivo... mas temos poeta!
    a droga é de facto um flagelo, que não será nunca extinto por força dos Milhões que mexe!

    cp's

    ResponderEliminar
  13. Importa reflectir sobre esta tragédia que já me levou bons amigos.

    Sentido abraço

    ResponderEliminar
  14. Caminham na era do abandono total
    Jovens que vegetam ao sabor do tempo.
    Olhos parados, corpos mal tratados, ideais abandonados
    Esperam o regresso às origens, mas sem saberem porquê.

    Um beijo amigo.
    E.

    ResponderEliminar
  15. Mas que flagelo...o meu lamento para as crianças, que Mundo irão ter...

    Doce beijo

    ResponderEliminar
  16. Pode parecer difícil, mas não pode ser impossível criarmos o inverso de realidade tão dura.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  17. O consumo. O consumo de substâncias... Xanax, Prozac, e afins... consumos e receitas como escape, alívio, negação da realidade e/ou incapacidade para lidar com a frustração e a angústia.

    Não é só a juventude.
    Há muitas substâncias.
    Há diversos tipos de consumo...

    O princípio do prazer acima do princípio da realidade.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  19. Já voltei. Agradeço os comentários. Vamos continuar a postar palavras de outros que desejávamos serem nossas...

    Abraço

    ResponderEliminar
  20. É, de facto, um flagelo da sociedade actual. Detectar as razões e tentar colmatá-las é a tarefa mais difícil. **

    ResponderEliminar
  21. Já voltei de férias. Obrigada pela visita. Voltarei com mais vagar daqui em diante. Agora ando a fazer uma visitinha rápida a quem teve a amabilidade de me visitar durante as minhas férias.
    Sempre atento o amigo!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. Espreita o meu post de hoje.... tb se refere ao tema...

    é triste mas enfim! o pior ainda é ver a familia a destruir se aos poukos...

    bj

    ResponderEliminar
  23. Este é um triste sinal dos nossos tempos, uma verdadeira calamidade que a todos toca, directa ou indirectamente e que coloca em causa todos os valores essenciais da sã convivência!

    Um abraço infernal!

    ResponderEliminar
  24. Não sou por natureza pessimista logo direi que desde que o mundo é mundo que existem permanentemente desgraças, é só ler a história universal, assim não me parece que hoje exista mais podridão ou vicios do que anteriormente. Existe sim é mais divulgação de tudo!
    ~Bjs
    TD

    ResponderEliminar
  25. E...assim vai o mundo...

    Vem espreitar as minhas estrelas...

    ResponderEliminar
  26. É uma das grandes pragas do nosso tempo. O desprezo que tenho por quem lucra com este negócio da morte, é imenso e raia o ódio que preferia não ter de sentir por alguém.
    Cumps

    ResponderEliminar
  27. é simplesmente degradante e humilhante... uma abraço
    António Delgado

    ResponderEliminar
  28. Fenómeno que é a montra do descalabro da sociedade moderna em que deixou de haver valores éticos, de moral, de civismo, de respeito pela vida própria e dos outros.
    E por trás, a explorar as fraquezas de jovens mal preparados para gerirem a sua vida, há glutões esfomeados por dinheiro a tirar o máximo proveito da miséria.
    Parabéns por este poema a alertar para o maior inimigo da sociedade de hoje.
    Abraço
    Do Miradouro

    ResponderEliminar