2007-08-01

Assassino condenado

Será que se fez justiça neste país de brandos costumes, temos um assassino (deixamos as americanices, serial Killer) que mata três jovens na flor da vida, finge-se colaborante, foi guarda da GNR, andava metido na igreja calunia pessoas, diz-se maluco, enfim todas as peripécias que infelizmente conhecemos, pois como somos modernos o homem até teve direito a entrevista na televisão e proclamar-se inocente, como o mais cândidos dos homens.
Foi julgado e condenado, em cumulo jurídico a 64 anos de prisão, mas como somos bonzinhos (legisladores, não se precaveram, ou as leis estão desadequadas) só pode apanhar a pena máxima que são 25 anos, Com o bom comportamento, pois já se viu que simular sabe ele, daqui a meia dúzia de anos está cá fora, pode matar mais duas ou três..
Mas que justiça é esta, apanha é acusado em nove crimes, e é exactamente como se tivesse cometido um só, ou talvez até saísse em liberdade.
A pena de morte para casos mais que comprovados, não me repugna (quem com ferro mata com ferro morre), mas se país de brandos costumes, não temos, pena de morte, ou pena perpétua, não será que caso como estes deveria atender-se á soma dos crimes e ser condenado pelos mesmos. E não ao fim de no máximo uma dúzia de anos segundo li está solto. Pois a moral é que matar um ou cem a pena é exactamente a mesma. Isto é justiça?
De leis nada percebo mas que isto seja justiça tenho as minhas dúvidas.
Antes de suavizara mortes dos ante queridos, já este assassino estará na rua, e entretanto vai comendo e bebendo á custa dos impostos de todos nós
No acordo do tribunal indica que o assassino vais ter que pagar uma indemnização aos familiares das vítimas, mas alguém acredita., Dizia-se tão inocente e dos primeiros actos foi passar os seus bens para o nome de outros.
E assim vai o mundo.

21 comentários:

  1. Boa noite amigo cvalente
    Embora não seja apologista da justiça popular,em casos como este creio que seria capaz de dar uma mãozinha.
    A dor de perder um filho,e nestas circunstãncias pode atenuar com o tempo,mas nunca mais seremos os mesmos.
    Será que igual penalização seria dada a quem perpetuasse igual crime, mas a um filho de um qualquer dos intocáveis deste país?
    Bjo

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que possa passar na cabeça de uma pessoa para matar. Mas matar como matou é de um ser que não se pode considerar que pertença à classe dos humanos. também não sou apologista do dente por dente nem do olho por olho. Mas que fazer com a dor provocada a terceiros por esta pessoa de forma intencional?

    cordialmente
    António Delgado

    ResponderEliminar
  3. C Valente acabei de ler o seu texto.
    E digo-lhe sinceramente, que faço minhas as suas palavras.
    E com isto digo tudo.
    Votos de uma noite tranquila e regeneradora.
    Beijinhos,

    Fernanda

    ResponderEliminar
  4. Não sei bem se é a "justiça" que deve ser criticada, se os "legisladores", ou se são os intérpretes das leis. Ou se somos nós todos quem merece as críticas por não sabermos gritar "basta!"

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Concordo consigo C Valente.

    a somar a isto tudo, nós contribuintes, vamos ter de pagar o alojamento completo a este assassino!

    A justiça da Tugalândia no seu melhor.

    abraço c.v.

    ResponderEliminar
  6. padeiradealjubarrota02/08/07, 03:05

    A justiça está uma vergonha. E nós todos???

    ResponderEliminar
  7. O cúmulo jurídico, é o cúmulo da vergonha.

    Este ASSASSINO cumprirá metade da pena e cumprirá precárias...virá cá fora aos fins de semana??

    Abraço

    Mário

    ResponderEliminar
  8. "A pena de morte para casos mais que comprovados, não me repugna (quem com ferro mata com ferro morre), mas se país de brandos costumes, não temos, pena de morte, ou pena perpétua, não será que caso como estes deveria atender-se á soma dos crimes e ser condenado pelos mesmos."

    estou absolutamente de acordo contigo e enquanto as nossas penas forem assim tão brandas ... tudo continuará na mesma...

    bjs

    ResponderEliminar
  9. O ser humano é capaz das coisas mais belas e das mais sórdidas também.

    A dor da perda de um filho, poderá extinguir-se com a morte do criminoso...? Não sei. Sou humana, sou mãe, e honestamente não sei o que faria numa situação dessas...

    Não sou a favor da pena de morte.

    Quanto ao facto do senhor poder vir a sair ao fim de uma dúzia de anos (que é metade da pena), é indignante. Quanto à sua capacidade de manipulação... há profissionais para avaliar essa característica e fazer uso dos meios que possibilitam a permanência em cativeiro de um senhor imputável de seus crimes pelo perigo de reincidência...

    A justiça...
    Nem sempre justa nem sempre injusta...
    Indolente, concerteza.
    Casa Pia. Tardas...


    Um beijo

    ResponderEliminar
  10. Amigas/os!
    Por motivos alheios, o meu blogue evaporou-se. Talvez, perdido nas imensas estradas de fibra óptica que percorrem o espaço cibernético.
    Estou no entanto a criar este mesmo espaço, para poder estar junto de todos novamente.
    Não lamento os “posts” que perdi, mas sim os doces, ternurentos e sentidos comentários que me transmitiram ao longo destes meses.
    Os meus textos poderão ser repetidos, as vossas observações ficarão para sempre na minha memória.
    Por diversas vezes me foi solicitado a “abertura” do blogue: A Traição do EU.
    http://a-traicao-do-eu.blogspot.com/
    Tentei entrar nos meandros da poesia da sedução. São outros sonhos que escrevi apenas para mim.
    Ficarei como sempre na expectativa da vossa análise terna e objectiva.

    Obrigado

    O sonhador em full time
    http://sonhadoremfulltime.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  11. limpava-lhe o sebo em três tempos.

    ResponderEliminar
  12. este mundo é dos aldrabões, assasinos, burlões e tudo mais acabado em...

    ResponderEliminar
  13. Não há maneira humana de castigar tão hediondo acto ou actos
    A diferença é a de como ele se fazia passar por boa pessoa e todos
    achavam que sim.

    ResponderEliminar
  14. Vergonhoso ...

    (Tenho estado ausente por motivos de saúde. Por isso não tenho aparecido. Talvez hoje consiga fazer alguma coisa :))

    Beijinho

    ResponderEliminar
  15. C Valente,
    Antes de fazer meu comentário gosto de ler os comentários já feitos porque acho interessante conhecer as várias opiniões. Me identifiquei muito com o comentário feito por um poema...
    Os intérpretes da justiça é que estão a falhar e a nós, cabe protestar, reclamar, gritar. Jamais calar. Quando todos ou pelmo menos, quando muitos começarem a exercer o direito de reclamar e dar um basta, talvez as coisas mudem sim.
    Te deixo um beijo.

    ResponderEliminar
  16. a justiça fica bem longe de todos esses casos hediondos......
    infelizmente.....


    jocas maradas

    ResponderEliminar
  17. Tb concordo que as penas devem ser cumulativas

    ResponderEliminar
  18. Como se dizia que a justiça era cega, talvez alguém tenha levado isso à letra...
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Recomendo-lhe vivamente que comece por ler um autor já um bocadito “antigote” de seu nome Beccaria, o qual publicou uma obra denominada: Dos Delitos e das Penas.
    Com essa leitura as suas dúvidas entram em fase de dissipação e preparam-no para outras mais actuais.
    Já agora, olhe que a emoção nunca é grande amiga da razão e pode conduzir (nalguns casos) à barbárie pura e simples.

    ResponderEliminar
  20. São feras, bestas, que merecem castigos mais duros.
    Isso não é justiça, não.
    Também fiquei chocada com a notícia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  21. Ele devia era no mínimo fazer trabalhos forçados para pagar o que come.
    25 anos não é nada para quem mata uma pessoa quanto mais 3.

    ResponderEliminar