2007-12-11

Compras de Natal

Época especial
Ruas engalanadas
Montras faustosas
Consumo desenfreado
A azáfama é grande
Nos centros comerciais
Sedutora publicidade
Vitrinas provocantes
Para todos encantar
Cuidadosos embrulhos
Pequenos e grandes
Papeis decorados
Laçarotes vistosos

No lar mais modesto
De família numerosa
A carência é que governa
Dar volta á imaginação
O dinheiro não abunda
Não é de fácil solução
Camisola, pijama, meias
Bebida, cachecol, gravata,
Bugigangas costumeiras

Gentes de grandes fortunas
Famílias mais abastadas
Outras sem sabermos como
Lucro fácil, endinheirados
Carros, relógios, portáteis
Brincos, pulseiras, colares
Luxos desmedidos
Gastos desregrados
Não importa como ganhos

Nestes tempos da modernidade
Ostentação, consumismo a dominar
Perde-se o significado que reinava
Valores cristãos da natividade
Paz, amor ao próximo solidariedade
Actos hoje pouco praticados

31 comentários:

  1. Mais um poema bem ao teu jeito que critica a sociedade consumista em que vivemos.
    Gostei.
    Beijinhosss

    ResponderEliminar
  2. Tudo dito.
    Bem melhor seria que esta quadra festiva se desenhasse com outras palavras... Palavras que lhe conferissem sentido.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Pelas razões aqui expressas, ou porque sou um pouco tradicionalista, continuo a preferir a reunião da família em redor da mesa, comendo as especialidades com que cada um contribui para um repasto em que se aproveita para por a "escrita" em dia e lembrar Natais passados. As crianças beneficiam do seu estatuto e recebem os seus presentes, os outros ficam com o calor familiar e uma modesta lembrança porque o tempo não está para cavalarias altas.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  4. Excelente Poema!
    Parabéns!
    Gsotava de pedir a sua ajuda para divulgar esta causa que importa a todos... Sei que pode ser um abuso da minha parte, mas por favor visite o link:http://portucalactual.blogspot.com/2007/12/comunidade-vida-e-paz.html

    Beijinho,

    ResponderEliminar
  5. Uma linda descrição daquiloque é o natal na actualidade...Um puro consumismo.
    Um abraço
    António

    ResponderEliminar
  6. Excelente como sempre...apontando à verdade...ao fosso entre ricos e pobres, entre os esbanjadores e os necessitados, entre os hipócritas e os que procuram um abraço. Já vi azafama que aqui refere, mas só porque tive de fazer as compras do mês. Deveria ter feito no mês passado para dois meses...Saudações pecadoras.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Se o Natal se resumir quase só ao consumo desenfreado promovido por quem com isso lucra, infelizes dos que a isso se conformam. O dinheiro ajuda em muitas coisas, mas não substitui as relações familiares e humanas.
    Muito apropriado para esta época do ano.
    Cumps

    ResponderEliminar
  9. E tantas vezes um beijo e um sorriso seriam suficientes para dar sentido ao Natal...

    Um abraço, C Valente.

    ResponderEliminar
  10. É realmente uma realidade cada vez maior o facto da época natalícia ter mais a ver com prendas do que com solidariedade.

    A tradição já não é o que era.

    marinheiroaguadoce a navegar

    ResponderEliminar
  11. Um abraco cheio de fraternidade!
    Tem razao cada vez e' maior o fosso entre os ricos e os pobres!
    E paralelamente crescem o abismo entre os verdadeiros valores e os valores economicistas.
    Mas a felicidade nao se mede pelo tamanho do anel, nem pelo valor do carro! E por isso estamos cada vez mais lomge dela!

    ResponderEliminar
  12. Muito bem.

    Eu se calhar sou um ingénuo, mas a mim ninguém me tira o espírito da época.

    Pena que muitos com pouco o percam e outros com muito nem saibam já o que é isso.

    ResponderEliminar
  13. Consumerism, consumerism, consumerism! É este o espírito do Natal moderno!

    ResponderEliminar
  14. Tens sempre razão no que dizes, mas nesta época do ano não há como fugir ao consumismo desenfreado!
    São as vitrines escandalosamente provocantes, é a nossa ansiedade em presentear amigos e familiares, são os laços lindos que enfeitam os papeis coloridos, é todo o espírito de Natal, o desejo de partilha, de dar alegria, de receber beijos e abraços! E por falar nisso...deixo um beijo ternurento para ti.

    ResponderEliminar
  15. Nestes tempos de modernidade...
    ...Continuamos a tentar não esquecer tradições, essas que vivemos durante muitos anos, mas que infelizmente servem hoje de pasto para o consumismo.
    Como seria bom, que na mente humana fosse sempre Natal, talvez assim a construção de uma sociedade global tivesse a primeira pedra plantada...

    ResponderEliminar
  16. É sobre tudo nas famílias onde "A carência é que governa" onde o verdadeiro natal subsiste.

    cumps

    ResponderEliminar
  17. Com verdade da epoca, lindo ficou este poema____________

    Bjca doce

    ResponderEliminar
  18. Só com tempo para lhe desejar boa noite e dizer que apreciei o poema!

    ResponderEliminar
  19. Gostei do seu poema, mas algumas prendas de Natal sabem bem.

    ResponderEliminar
  20. Valente!
    É triste constatarmos o artificialismo e consumismo desta época! Belo Poema.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  21. C Valente

    Li seu comentário lá no meu blog sobre não ter sdo possivel ver o vídeo que lá está postado. Estranho porque agora tentei e está funcionando. Antes de você, a Isabel Filipe e a Elvira, ambas de Portugal, viram o vídeo e até deixaram comentários. Por favor, quando possível claro,volte lá e tente de novo. Garanto que você não vai se arrepender. O vídeo é lindo!

    Sobre este post:
    O consumismo do Natal é um exagero.
    Uns com a mesa farta e outros sem ter nada pra comer. É tão desigual esta vida...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. padeiradealjubarrota13/12/07, 01:55

    Reina o vazio. Tudo se compra e se esvai.

    ResponderEliminar
  23. É isso que digo meu amigo. Natal perdeu o verdadeiro sentido. Agora é comércio e por isso deixei de gostar dele. Enquanto uns têm tanto, outros sem nada e isso é injusto. Todo ano no natal fico triste.
    Mas continuo gostando de dizer FELIZ NATAL!
    Belos versos!
    Beijos

    ResponderEliminar
  24. Bela descrição do espírito natalício. De facto, estão esquecidos os valores fundamentais, religiosos e morais, do Natal: amor ao próximo, dádiva de si mesmo, etc.
    Vivemos a época do consumismo neoliberal desenfreado.
    Um abraço amigo

    ResponderEliminar
  25. Passando para ler as suas palavras...

    ResponderEliminar
  26. as saudades que tenho do nosso Chiado, do Grandela. Nessa altura o prazer que tinha em passear na nossa baixa!

    Isso sim era cheiro de Natal!

    ResponderEliminar
  27. É verdade, os velhos costumes estão bastante esquecidos...

    Hoje Natal está a ser sinónimo de compras,doces,etc...Até o Presépio está a ficar um pouco arredado das casas,prevalecendo os pinheiros de Natal apenas.

    Bjgrande

    ResponderEliminar
  28. para lhe desejar um Feliz Natal, deixo-lhe
    venho repassar a
    CAMPANHA, SOU SEU FÃ!!!

    ´´´´´´´´´´´¶
    ´´´´´´´´´´¶¶
    ´´´´´´´´´¶¶¶
    ¶¶¶´´´´´¶¶´¶
    ´¶¶¶¶¶¶¶¶´´¶
    ´´´¶¶´´´´´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´´´¶¶´Fô¶¶¶¶
    ´´´´¶¶´´´´´¶¶¶
    ´´´¶¶´¶¶¶¶´´¶
    ´´¶¶¶¶¶´´¶¶´¶´
    ´¶¶´´´´´´´´¶¶¶´

    já ganhaste a tua, agora vou
    ver se ganho a Minha Também. Passa para os teus AMIGOS,
    e ganha mais Estrelinhas também.

    beijos, mandaram-me distribuir estrelas.


    Um BOM NATAL cheio de embrulhos de alegria, celebrado em paz e harmonia ...!

    ResponderEliminar
  29. No Natal oferece-se o embrulho vistoso porque o coração está repleto de nadas.
    Beijo

    ResponderEliminar