2007-10-14

Dinheiro, vil metal

Dinheiro, vil metal
Por ti, tudo vale.
Famílias desavindas,
Partilhas ensanguentadas,
Lares arruinados,
Amizades perdidas,
Amores desfeitos.

Por ti, vil metal
O impoluto é corrompido,
Sociedades anuladas,
Alegrias e tristezas,
Ódios e cobiças
Ambição desmedida
O honesto desespera

Dinheiro, vil metal
Compra-se poder
Guerras e influências
Droga e destruição
Alimentas poderosos
Ambiciosos e desonestos
Só o pobre é que não

Por ti vil metal
Moeda ou papel
Valor cambial
Assaltos, crime e dor
Escorre suor e lágrimas
Trabalhos e canseiras
E morre-se de fome

Dinheiro vil metal
Símbolo universal
Tudo governa e comanda
Não há ética nem moral
Tão pouco justiça social
Honra, rectidão, palavra,
Não é o teu vocabulário

Tu, vil metal
Minorias que muito tem
Muitos nada possuem
Uns poucos o adoram
Tantos outros o desprezam
Mas todos o desejam
Junta riqueza e miséria
Ninguém passa sem ele


40 comentários:

  1. Ele até pode ser vil ... mas mais vil é quem faz dele uma má utilização. Sempre houve uma "moeda" de troca, Não é preciso ser metal ... até podia ser (como já foi) sal. Haveria sempre quem quisesse ter mais sacas que o vizinho. Vilões somos todos nós.


    Boa semana
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Acho que o poder corrompe mais que o dinheiro, apesar de tudo..
    Mas não deixo de estar de acordo contigo, que é o vil metal... que tanto compra...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. bem dito amigo Valente, mas como disse a sra. de cima quem o utiliza é que é o culpado.

    ResponderEliminar
  4. De facto , ninguém passa sem ele ...
    Beijito.

    ResponderEliminar
  5. Meu caro Amigo Valente,

    É verdade que o dinheiro está, não raras vezes, na génese de imensos conflitos pessoais, familiares e até internacionais.
    Mas, não deixar de pensar que, apesar de tudo, o poder, ou a conquista dele, corrompe muito mais.
    O ser humano é, de facto, muito complicado...

    Um abraço amigo e,
    votos de uma semana feliz,

    Maria Faia

    ResponderEliminar
  6. É certo que ninguém passa sem ele, nem que seja para o pão de cada dia! E "em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão!", mas... como me sinto faliz com o meu desprendimento...! Aquilo que não tenho não me fará falta e o que tenho não me pertence!

    Bjs

    Fa-

    ResponderEliminar
  7. O dinheiro não é tudo, mas a verdade é que sem ele não fazemos nada!
    Boa semana

    ResponderEliminar
  8. O vil metal por si só, não me preocupa absolutamente nada! O problema está mesmo em nós, que não sabemos viver com e sem ele!

    Aquele abraço infernal!

    ResponderEliminar
  9. Eu hoje estou um bocado preguiçoso. Por isso, se a Fá (que
    é uma verdadeira princesa) não levar a mal, subscrevo o que ela diz...

    ResponderEliminar
  10. "Dinheiro, vil metal
    Por ti, tudo vale.
    Famílias desavindas,
    Partilhas ensanguentadas,
    ...
    "

    quanta ... quanta verdade neste teu belo poema ... é realmente o vil metal ...

    e a quadra que transcrevi tem um significado especial para mim ... infelizmente sei bem o que isso é...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Olá C. Valente, gostei muito do tema sobre o qual fês o seu poema.
    É tão polémico, que prefiro não me debroçar sobre ele.
    Para uns é o seu Deus, conheço pessoas assim.
    Para outras não necessitão dele só tráz infelicidade.
    No meio é que está a virtude-
    Concorda?
    Muitos beijinhos!
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  12. Todos quase sem excepção desejam ter mais do que realmente têm. O problema mesmo é a utilização que lhe damos e neste momento poucos saber dar uma boa utilização ao que têm, seja muito ou pouco.

    marinheiroaguadoce a navegar

    ResponderEliminar
  13. O que o vil metal faz à sociedade...
    Impossiveis acontecem devido a ele.


    Agradecendo a boa semana e retribuindo.


    bjgrande

    ResponderEliminar
  14. Gi
    Dinheiro vil metal é o símbolo que interessa não a moeda de troca
    Maria
    Muitas das vezes a situação é quem surge primeiro o ovo ou a galinha
    Tiago R Cardoso
    Sempre assim foi e será, uma arma não é criminosa , mas sim quem a utiliza
    O poder não mata, mas quem manda matar
    Secreta
    È e será um mal necessário, todos ou quase o odeiam , mas todos o desejam
    Maria Faia
    A questão não é o dinheiro em si, mas quem dele se serve e corrompe
    Fa menor
    Frase bonita, e gostava que assim fosse, mas muito raro e ai também me penitencio “ Aquilo que não tenho não me fará falta e o que tenho não me pertence!”

    conchita
    O dinheiro não é tudo, mas que ajuda muito ajuda
    Belzebu disse...
    O vil metal como o já disse consiste no ser humano não no objecto, pode ser ouro, dinheiro, armas etc.
    quintarantino
    Que a preguiça vaguei
    Isabel-F.
    A mim também me aconteceu e há pouco, talvez dai o poema,
    Partilhas, família desfeita e não é só por dinheiro
    Fernanda e Poemas
    Eu também não gosto de dinheiro, mas tenho de viver com ele e só me interessa na medida das necessidades, e não de avareza, ganância ou luxos
    Marco Ferreira
    Palavras acertadas

    C Valente
    A todos o meu obrigado, este poema era mais a ideia subjacente dos muitos que preferem o dinheiro, bens, poder, em vez de amizade, harmonia, amor mesmo que seja entre irmão
    O vil metal, não é a moeda em si, mas o que por detrás existe
    O homem é o por animal do planeta
    Eu prefiro uma boa conta de amizade e amigos a uma boa conta bancária
    Saudações amigas

    ResponderEliminar
  15. Vil metal que condena o Humano a este caus que se vive...mas belo é o poema...

    Doce é meu beijo

    ResponderEliminar
  16. É mau, é mau, mas ninguém dele abdica.

    Se não há todos o querem,
    se há, nunca chega a quem tem. Viver sem ele? Impossível!
    diz o rico e o sem-vintém.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  17. E não é só o vil metal, as notas em papel também são lixadas...

    ResponderEliminar
  18. o problema está nas pessoas....

    jocas maradas

    ResponderEliminar
  19. O vil metal, tão vil quanto necessário...pena é que sempre tenha andado e continuará a andar tão mal distribuido, daí as guerrinhas e as GUERRAS!
    Excelente poema, caro Valente.
    bjs.

    ResponderEliminar
  20. Se o dinheiro for encarado como poder, corrompe. Eu contento-me, que remédio, com o que tenho, sem grandes folias e vivendo a minha vidinha, esperando que não me falte o trabalho, a saúde, o amor e a amizade.
    Nunca tive muito e já passei dificuldades, mas agora já com uns anitos em cima, dou mais valor a outras coisas, em bora saiba bem o valor do dinheiro.
    Cumps

    ResponderEliminar
  21. O dinheiro é tudo isso que magnificamente expuseste. Levamos a vida atrás do dinheiro porque sabemos que o dinheiro sendo sujo compra coisas maravilhosas. E assim nos afastamos de nós e perdemos o gosto pelas coisas simples..
    Porém, e com um pouco de introspecção, talvez encontremos em nós outros interesses e outras capacidades além do vil metal que deve ser remetido à condição de q.b.

    ResponderEliminar
  22. O poema, a canção, o comentário, tudo deve ser um alerta para que nos façamos gente e consigamos olhar à nossa volta.
    Adorei este poema-reflexão sobre o vil metal.

    ResponderEliminar
  23. E há tanta gente com falta dele...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Olá C Valente.
    Passando para ler seus sempre bem escritos textos e te deixar um abraço meu e de Flavia.
    Odele (não Odete)

    ResponderEliminar
  25. Ola meu querido!

    O dinheiro so tem valor para quem sabe trabalhar por ele, ser ganho com honestidade e suor.
    Infelizmente muitos nao tem o respeito de o ganhar assim.
    Adorei como sempre escreves maravilhas
    Desejo que a tua semana seja completa
    mil beijos
    Whispers

    ResponderEliminar
  26. Hoje já estou menos preguiços e venho aqui dar a minha opinião.
    O dinheiro, esse elixir, sempre foi uma perdição para os homens. Quiçá o problema não esteja no dinheiro em si, nem em que o mesmo se acumule, mas sim na ganância dos que loucamente correm atrás dele todos os dias, atropelando e atropelando-se, para no fim morrerem estupidamente como qualquer outro e sem que tenham, quase sempre, descoberto o que é realmente viver.

    ResponderEliminar
  27. ele é tudo isso mas "ninguém passa sem ele"..

    cp's

    ResponderEliminar
  28. Olá,amigo, continuação de boa semana.

    ResponderEliminar
  29. o problema, não é só, o não passar sem ele, acima de tudo somos dependentes dele!

    ResponderEliminar
  30. O dinheiro é um conceito ao qual estamos agrilhoados até à morte...


    Abraço

    ResponderEliminar
  31. o vil metal...causa de tantos problemas na terra...

    Convido-te a conhecer a Flávia que está em coma vigil irreversivil há quase dez anos...

    bjs

    ResponderEliminar
  32. Caro amigo o dinheiro é uma boa merda mas não se pode viversem ele...infelismente!
    abraço

    ResponderEliminar
  33. Para viver necessitamos do dinheiro, mas não temos de viver apenas para acumular dinheiro.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  34. C.Valente,passei para deixar um beijinho.
    F.C.

    ResponderEliminar
  35. Hoje só quero convidar-te a juntares-te a nós no NOTAS SOLTAS IDEIAS TONTAS (http://notassoltasideiastontas.blogspot.com) no grito contra a pobreza, hoje dia 17/10/07 em que, internacionalmente, se exige a sua erradicação.

    ResponderEliminar
  36. Não podemos passar sem ele... por mais utópicos que sejamos.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  37. Um vil metal que faz girar o Mundo com o que de melhor e pior ele tem...

    Jinhos amigo

    BF

    ResponderEliminar
  38. Com ele ou sem ele o dinheiro é um problema! reparem ao filho de um banqueiro da nossa praça, foi-lhe perdoada uma divida de não sei quantos milhões. Um cidadão qualquer não paga uma mensalidade de uma hipoteca tem logo problemas. A desmontagens dos factos associados a esta realidade bem pode mostrar o problema que é o dinheiro e o tipo de relações que estrutura.

    um abraço
    António Delgado

    ResponderEliminar
  39. é a pura das verdades....

    Um abraço forte...

    Amigo C.Lopes

    Soares

    ResponderEliminar
  40. Infelizmente, este magnífico poema constitui uma chamada de atenção para o poder do dinheiro, bem como o materialismo da sociedade actual...
    O poema fecha com chave de ouro: "Ninguém passa sem ele."
    De facto, é verdade, ou melhor, é toda a verdade....

    ResponderEliminar