2014-10-28

Sonhos

Desbravar nas profundezas da alma
Memorias reflectidas em sono agitado
Imagens e pensamentos se confundem
O silêncio ecoa pelas paredes do quarto

Vagueando por vivências, tempos e modos
Momentos ilusórios de felicidade e tristeza
Voando sem asas e caindo vezes se conta
Desafiante suor e lágrimas teimam em cair

O real e irreal envolvem-se a cada jornada
Mundos de opostos tropeçam em loucuras
Desassossego gera conflitos permanentes
Maior que o despertar é o deslumbramento

Viajando em demanda de um sonho
Um brilho na escuridão se deslumbra
Acalmando o agitar da noite que é dia
No despertar apoia os pés no chão frio




3 comentários:

  1. Entre o real e o irreal, habitam silêncios...
    Abraços e afetos.

    ResponderEliminar
  2. muito bem - gostei do ritmo de teu belo poema.

    abraço

    ResponderEliminar
  3. Que o sonho nunca morra...
    Cumps

    ResponderEliminar